Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



I had a black dog, his name was depression

por Teira, em 26.03.14

 

O que é a depressão? É um estado passageiro? É uma doença grave? Tem resolução? Será que fica para sempre?

Para quem não sofre deste tipo de problema, acredito que é dificil compreender o estado de espirito das pessoas depressivas.

Ora estamos lá "em cima" ora cá "em baixo"!

Existem vários tipos de depressão. Umas mais graves, outras menos. Umas que com o tempo passam e são normais devido a determinadas circunstâncias da vida. Enfim... Mas há aquelas que são crónicas, ou seja, ficam para toda a vida.

Aprendi que o primeiro passo é aceitar e assumir que se tem um problema. Sem isso, é  impossível seguir.

Aprendi que muitas vezes sózinhos não conseguimos resolver o problema, e que o melhor é procurar ajuda profissional.

Aprendi que essa ajuda não serve para curar. Nada cura...A cura está dentro de nós.

Os problemas que estão na base de uma depressão crónica, não desaparecem. Mas com a ajuda devida, aprende-se a encará-los de outra forma.

Aprende-se a controlar determinado número de situações, de sentimentos e principalmente a encarar esses problemas de uma outra forma.

Infelizmente quando a depressão se torna crónica, sabemos que existem alturas no ano, em que a tendência para os sintomas mais graves aparecerem, é mais provável. E também aprendemos que temos que saber usar técnicas para não sermos arrastados para o fundo.

 

Mas não é fácil. Nem falar disso, nem desabafar, nem explicar a quem está de fora os sentimentos, a ansiedade, o desespero, a raiva, o descontrolo, e os sentimentos contraditórios.

 

Deixo-vos um pequeno "grande" filme sobre a matéria.

Está excelente e considero magnifico.

 

Fiquem bem.

 

 

 

https://www.youtube.com/watch?v=XiCrniLQGYc 

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

De Checa a 26.03.2014 às 21:39

Teirinha,
Achei o filme excelente.
Relativamente a este papão, o que aprendi com a vinda dos anos, é que ninguém está livre de ser engolido.
Não podemos ser arrogantes ao ponto de acharmos que estamos livres.
A fronteira entre a sanidade e o desequilíbrio mentais é muito mais ténue do que possamos pensar.
Uma grande beijo.

De Teira a 27.03.2014 às 19:08

Checa,
É bem verdade. Ninguém pode dizer "dessa água não beberei". Ninguém pode dizer "ah, eu perante essa situação nunca ficaria ou reagiria assim". Infelizmente cada vez mais o nosso dia a dia, o stress, a rotina, a própria situação social e económica do país e tantos outros factores, vão mudando a nossa maneira de ser e de estar perante a vida.
Este "papão - The blak dog "pode engolir qualquer um e a qualquer momento.
Ficamos mais velhos, menos pacientes e tolerantes, mais ansiosos, sem tempo para cuidar de nós dos nossos familiares. Temos cada vez menos tempo para "viver" e apreciar as pequenas coisas da vida que às vezes tanta diferença fazem no nosso dia a dia.
Parece que estamos todos a um passo do abismo.
Ainda existem alguns que com uma certeza "um pouco duvidosa" continuam a dizer: a mim? nem pensar! Mas se forem realistas, se calhar estão bem mais perto do abismo, do que aqueles que sabem que efectivamente estão!
Por isso, o meu espírito critico relativamente a determinadas situações "aberrantes" que ouvimos e vemos todos os dias, tornou-se cada vez menos agressivo e mais cauteloso.
Há situações que há uns anos atrás eu era capaz de dizer "que horror, era incapaz de fazer isso", hoje continuo a dizer que são verdadeiramente um horror, mas nem me atrevo a dizer semelhante coisa.
Face a determinadas circunstâncias da vida, a nossa mente pode tornar-se incontrolável e levar-nos a fazer coisas que nem imaginamos.
Este é talvez, o meu maior medo atual.

O de perder o controlo total...

De titi a 28.03.2014 às 00:07

A minha resposta é: mas este fim de semana vai ser de alegriiiiiia, vamos aí! Temos o mega event dos anos do Francisco. Estás por aí no sábado? Gostava de ir com os putos a tua casa, o que dizes?

Comentar post



calendário

Março 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031


Arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Pesquisa

Pesquisar no Blog  

Who's among us?




Arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D