Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Uma coisa porreira

por titi, em 06.05.14

Olhar para um gajo na rua. Olhar outra vez. Pensar ''não me importava de conhecer este tipo''. Pensar a seguir ''Espera lá, já o conheço! Até casei com ele há uns anos...''

Autoria e outros dados (tags, etc)

Olhar para aquilo

por titi, em 06.05.14

Ferreira Fernandes Ferreira Fernandes

Se aproveitarmos a boleia do sucesso planetário de Joana Vasconcelos temos três anos para não chegar vergonhosamente à arte moderna com um século de atraso (já vou ao porquê de 1917). Depois do cacilheiro em Veneza e das exposições em Versalhes e no Palácio da Ajuda, já estamos um pouco convencidos. Nada como o gosto global dos outros para moldar o nosso. Tal como os peitorais de Cristiano Ronaldo trouxeram tantas portuguesas para o futebol, os restantes portugueses vão ficar, com Joana Vasconcelos, clien­tes da arte e daquilo que não entendem.

É tempo, pois, de acabar com as velhas piadas sobre a arte moderna. Sim, um negociante de quadros pode continuar engatar um cliente, assim: «E aqui está, meu caro dr. Fulano, um Paul Klee! Num Klee, você encontra tudo que você procura na arte moderna: crescimento rápido do capital, segurança a longo prazo e uma liquidez notável.» Sim, nunca entenderemos porque é que aquilo vale tanto dinheiro, mas só de pensarmos nisso, porque vale tanto?, já estamos a meio caminho para o fascínio. É altura de fazer um esforço para entender mais.

Em 2009, Will Gompertz foi ao Edimburgo Fringe Festival como artista de stand-up comedy. Na verdade, ele só aproveitou a técnica do género – subir a um palco e fazer humor, de pé e sem mais – para falar de forma imprevista e viva do que sabe. Editor de arte moderna na BBC, assinando regularmente nos jornais ingleses The Times e Guardian, e diretor, durante sete anos, na Tate Gallery, em Londres, Gompertz falou da razão que leva a cama por fazer de Tracey Emin (artista inglesa, nascida em 1953) a ser uma obra de arte e a sua cama desfeita, leitor, não ser.

E lembrou ainda que, pouco a pouco, o mundo vai-se entra­nhando dessa estranheza que é arte não tão bem pintadinha como a frontaria do Palácio dos Doges, de Veneza, pintada por Canaletto. Em 1972, a Tate Gallery comprou uma escultura chamada Equivalent VIII, do americano Carl Andre. Eram 120 tijolos sobre­postos num retângulo de duas camadas, e só. Foi um escândalo. Ora, trinta anos depois, a mesma galera comprou uma folha de papel onde o artista eslovaco Roman Ondák explicava uma perfo­rmance artística: um grupo de atores devia fazer uma fila e pôr-se com cara de quem espera. A fila fez-se, o que levava as pessoas que passavam a integrar-se nela ou a andarem por ali, intrigadas. Mas a performance de Ondák já não levou a nenhum espanto…

As boas gargalhadas que recebeu no festival de Edimburgo levaram Will Gompertz a publicar o livro What Are You Looking At? (Para o Que Está a Olhar?), dando de barato o essencial: agora, você já está a olhar… E é assim que ele nos leva ao dia inicial da revolução da arte moderna, 2 de Abril de 1917. O francês Marcel Duchamp (1887-1968) atravessa uma cidade fantástica e vital, Nova Iorque, e entra no nº 118 da Quinta Avenida, loja de artigos sanitários, a JL Mott Iron Works.

Aí, Duchamp compra um urinol de louça e leva-o para o estú­dio. Vira-o ao contrário, e assina-o, a tinta preta, com pseudónimo e data: «R. Mutt 1917». Mutt para sugerir o nome da loja e esconder o seu próprio nome, porque ele quer mandar a obra para o concurso da Society of Independents Artists, do qual ele é um dos promotores. O nome que Duchamp dá à obra, Fountain, fonte, é pro­vocador, porque o urinol, no lado prático, não dá líquidos, recebe – é, pois, de arte que se fala, não de lados práticos. A simples inver­são do objeto também o transforma, com a parte bojuda para baixo, num corpo de mulher, o que num utilitário para homens dá azo às interpretações que se quiser. A obra acabará por não ser aceite (os outros diretores opuseram-se) mas é fotografada. O urinol original nunca será exposto e perde-se. Mas a foto guarda a ideia da Fountain e há 15 cópias que se passeiam pelo mundo. Quando assim é, as pessoas andam à volta dele, pensativas sobre o significado. O que leva Gompertz a gritar: «É um urinol! E nem sequer é o original. Arte é uma ideia, não o objeto.» Não sei se vos ajudei a entrar no mundo fascinante da arte moderna.

[Publicado originalmente na edição de 4 de maio de 2014]

Autoria e outros dados (tags, etc)


calendário

Maio 2014

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031


Arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Pesquisa

Pesquisar no Blog  

Who's among us?




Arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D