Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Cabeça em hiper-texto

por titi, em 10.05.13

Hoje, a ouvir o Pessoal e Transmissível com o Miguel Esteves Cardoso, senti-me como se o mundo estivesse de pernas para o ar quando ele disse que não se revê na pessoa que era há 20 anos e gozava despudoradamente com os outros por coisas como usarem meia branca ou terem um bigode farfalhudo (as voltas que a vida dá!) e que se arrepende dessa maldade meia gratuita que zelosamente praticava.

A ouvi-lo, transportei-me a outros tempos em que também eu exercia esse tipo de gozo sobre os outros e tinha ao lado um parceiro maravilhoso para a actividade (e todas as actividades de que nos lembrassemos, na verdade) que praticavamos constantemente, gozar, rir, ironizar, uns grandes chatos para quem estivesse ao pé, tendo a nosso favor o pormenor de gozarmos em primeiro lugar com nós mesmos, cada um com o outro e cada um consigo.

Ontem lembrei-me desse tempos gloriosos, ainda mais do que já me lembro todos os dias, porque a minha prima C., com quem eu estava a falar ao telefone, ouviu-me a combinar sair (eram onze da noite) com uns amigos e pôs-se a gozar, a dizer ''vais sair a esta hora? para a noite? pois é, agora andas a investir em ti...'' que é a maneira que a minha irma e as minhas primas arranjaram de gozar comigo, quando querem meter nojo dizem que eu agora ''ando a investir em mim'', uma expressão que acho hilariante. Mas eu acho deveras estimulante que elas gozem, continuamos a ser fervorosas praticantes desse desporto, gozar umas com as outras. Infelizmente nisso (e em tudo o resto excepto a cozinhar e mesmo assim é só uma) nenhuma está à altura do companheiro que há 9 anos perdemos.

As lembranças avivam-se mais e mais a cada dia e já percebi que quando nos acontece a tragédia de perder alguém subitamente e muito antes do tempo, as ondas de choque desse terramoto duram e duram e duram e pode muito bem ser que só ao fim de sete ou oito ou nove anos incorporemos a perda, conquistemos a consciência completa do que deixámos de ter, daquilo em que a nossa vida se transformou e consigamos, finalmente, arrancar de cima o desgosto e convertê-lo numa coisa qualquer que não sei explicar mas que não nos amargura e é doce e agradável e não nos arrasta para recantos sombrios.

Eu só percebi há algum tempo que, desde que o Pedro foi, procuro nos meus amigos, nos primos, na minha irmã, pedacinhos do papel que toda a vida foi dele. Uma por ser muito cómica, outros pela cabeça  brilhante e por me poder confiar cegamente nas suas mãos, outro porque me fala de música boa, outro é bom companheiro de viagem, um é mortalmente irónico, todos por gozarem comigo. É ridículo mas, se tivesse que isolar um pormenor de que sinto muuuuita falta, escolhia esse.

Por isso, filhas, gozem comigo, gozem que eu gosto. Digam que ando a investir em mim, que tenho a mania das doenças, o que quiserem. Eu agradeço.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Filho é sempre pequenino

por titi, em 10.05.13

Noutro dia ouvi na rádio uma entrevista a uma actriz que escreveu um livro onde enumera os ditos que ouve da mãe e que são mais ou menos universais, do tipo ''estás tão desagasalhada, estás tão magra, não comes nada'' e que também eu, marmanja com mais de 40 anos, ouço constantemente. Às tantas, dizia a rapariga ''é muito difícil para uma mãe reconhecer que um rabo que limpou centenas de vezes cresceu''.

É mesmo isso.

Autoria e outros dados (tags, etc)


calendário

Maio 2013

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Pesquisa

Pesquisar no Blog  

Who's among us?




Arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D