Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Medo de andar de avião

por titi, em 02.03.17

Vou pôr aqui o texto que o editor Manuel Alberto Valente publicou há pouco no facebook e que me recordou a minha própria dificuldade com os aviões.

Depois de uma vida (até aos 30 anos) a andar de avião a um ritmo que em certas fases foi quase frenético, com a naturalidade de quem está em casa a ir do quarto para a sala, de um momento para o outro passei a sentir pavor de pÕr os pés numa coisa dessas.

O clique aconteceu com um grande susto que apanhei num avião de 3 lugares, na Nova Zelândia, amanhã vou procurar fotos e escrever um post sobre isso.

Por agora, o texto do Manuel Alberto Valente:

Dentro do avião, preparando-me para voar de Lisboa para o Porto.
Nos anos setenta voei muito - para além de quatro viagens entre Lisboa e Luanda (serviço militar, claro), percorri vários países da Europa e visitei a antiga União Soviética (de Moscovo e Leninegrado, passando pelos Países Bálticos, até às lonjuras do Usbequistão e da Sibéria.
No princípio dos anos oitenta, depois de uma ida e volta a Frankfurt, alguma coia aconteceu que me bloqueou a vontade de voar. Ainda fui a Paris, já no início deste século, mas a experiêcia não foi muito estimulante. Nunca mais voei.
Em Agosto próximo, o meu sobrinho Kiko Pedreira vai casar nos Açores - não podia fazer-lhe a desfeita de faltar ao casamento.
(Avião em movimento na pista; são 15 horas em ponto)
Decidi então começar a "praticar": hoje vou ao Porto, dentro de dias desloco-me a Londres, à Feira do Livro, em fins de Abril estarei na Madeira para um encontro literário e em Agosto os Açores esperam por mim (São Miguel, Terceira, Faial e Pico).
(Vamos descolar. Afinal foi só uma aproximação à pista... Pequena paragem. Ruído enorme das hélices, aqui mesmo ao lado. Suponho que o comandante aguarda ordens. Arrancamos agora. São 15,14. Ruído ensurdecedor. Já estamos no ar).
É complicada esta coisa das fobias. Apoderam-se de nós sem sabermos bem como e de repente estamos prisioneiros. Quando aconteceu comigo, não foi só o avião: foram os ascensores, o metro, os túneis,até as salas de cinema quando ficava escuro. Pouco a pouco fui vencendo o medo. Faltava o avião.
Não está a ser tão difícil como pensava. Preparei-me psicologicamente ao longo de muitos dias (não sou diferente dos outros, há milhares e milhares de pessoas a voar em cada minuto, tenho perdido muitos sítios com esta mania mas ainda há muitos sítios à minha espera, etc., etc., enfim uma quantidade de argumentos capazes de vencer o "bicho").
E agora aqui estou. Totalmente tranquilo? Claro que não.
(Vêm servir bebidas e snacks; peço um copo de vinho -tinto, não têm branco. Converso um pouco com a minha vizinha do lado, uma jovem brasileira que estuda em Paris e vai agoa ao Porto visitar uns tios. Está a ler o "Paris é uma Festa", do Hemingway.)
São 15,42. Creio que daqui a pouco começaremos a descer. Neste avião pequeno, as pequenas oscilações enjoam-me um bocado. Mas não é muito diferente do Alfa Pendular.
(O vinho tinto é mau; sei que é um voo interno, mas podiam servir uma coisinha melhor).
Trouxe comigo para ler um livro da nova Vampiro - "O Grande Mistério de Bow", do Israel Zangwill -, mas até agora não lhe peguei. A leitura exige-me uma descontracção que francamente não tenho.
(Creio que estamos a descer. São 15.51. Registo que o avião é um ATR 72-600 de 70 lugares. Avisam agora oficialmente a descida. São 16 horas; devíamos estar no Porto, mas ainda só vejo núvens. No meio das núvens. Já se vê terra. Voando agora sobre o mar. São 16,06. Devemos estar a apontar a Pedras Rubras. Cada vez mais baixo. São 16,12. Tocamos terra. O avião imobiliza-se na pista.)

Texto escrito em tempo real.

Autoria e outros dados (tags, etc)



calendário

Março 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Pesquisa

Pesquisar no Blog  

Who's among us?




Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D