Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Dar é receber

por titi, em 21.10.15

Andei durante anos com o contacto da Associação Coração Amarelo na agenda com a intenção de um dia lhe oferecer os meus préstimos. Depois de ter tido filhos, a minha condição de mãe-que-passa-metade-da-semana-fora-de-casa dificultou as coisas e nunca consegui arranjar disponibilidade para oferecer duas horas (ou o tempo que fosse) da minha semana para fazer companhia a uma pessoa idosa que estivesse sozinha. Quer dizer, as duas horas eu até conseguiria arranjar, o compromisso do dia e hora marcados sem poder defraudar a pessoa é que seria impossível manter. Assim, com muita pena, nunca contactei a Associação e nunca fiz companhia a ninguém.

Ora deu-se o caso de há uns tempos, em conversa com alguém, eu ter ganho consciência de que dentro da minha própria família há várias pessoas acima dos 80 anos cuja companhia me é preciosa e que muito apreciam a surpresa de uma visita não combinada. Fiquei a matutar em quão retorcido me parecia andar a bater a portas para oferecer os préstimos da minha pobre companhia a uma instituição quando não faltam destinatários para ela aqui mesmo ao meu lado.

E assim decidi instituir alguma organização nas visitas erráticas que faço aos nossos velhotes (a minha mãe, com 74 anos, é a 2ª mais nova de 5 irmãos por isso velhotes é coisa que não nos falta na família) e prometer a mim própria tentar nunca falhar 1 visita + 1 telefonema semanal.

Tenho mais ou menos conseguido, sem dificuldade nenhuma (o facto de os meus filhos adorarem frequentar as casas em causa ajuda bastante). Estou a falar de tios que não têm falta de companhia e que passam parte do tempo rodeados de filhos, netos e sobrinhos e por isso fico ainda mais sensibilizada com o prazer evidentíssimo que as minhas aparições lhes dão. Poder-se-ia pensar que nenhum eles, com tantos filhos e coisas do género, não precisaria de mim para nada mas é gigante a satisfação que lhes dá uma visita, por mais breve que seja (a eles e a mim, que não concebo a minha vida sem frequentar estas casas) e essa alegria é uma recompensa gigante.

E depois, claro, pode parecer que se está a fazer uma coisa por outra pessoa mas a verdade é que somos nós que acabamos a ganhar mais.

Na última visita que fiz à nossa tia Ita, que estava um bocado abatida, pedi-lhe que me contasse a recordação mais antiga que tinha. Quando mergulha no baú das recordações, ninguém se lembra que a dita Ita tem 88 anos porque a memória do passado - e a do presente também - mantém-se intacta e muito presente (e muito divertida também). Lembrava-se de ter três anos e ter fugido de casa para ir aos avós (uma caminhada de dez minutos) de ter chegado e de as tias que lá moravam lhe perguntarem:

- aonde vais, meu amor?

e ela:

- shh, que ando fugida!

A história foi contada de uma maneira tão sentida e a Ita transportou-se tão profundamente para os seus três anos e para a recordação da casa dos avós, que adorava, que só por isso a conversa já teria valido a pena. Mas ela entusiasmou-se e continuou a partilhar memórias com tanta graça* que eu saquei de um papel (por acaso roubei-o às priminhas de três e seis anos que estavam a desenhar na sala) e desatei a anotar tudo.

Lembro-me imensas vezes do escritor António Alçada Baptista dizer que achava muito subestimado o valor da ''pequena história'' na grande História do nosso tempo. Posso dizer com toda a verdade que a minha pessoa não padece deste mal. Pelo-me por pequenas histórias e registo-as com um frenesim quase histérico, sempre com os meus filhos em mente porque sei que um dia vão adorar ler estas coisas. Que no fundo é a razão de este blog existir. A nossa Ita está completamente comigo nesta.

ita.jpg

Mantenho a vontade de um dia me juntar à Coração Amarelo e tenho a certeza de que a oportunidade chegará. Os mais velhos da minha família apreciam as minhas visitas mas solidão não é mal que lhes assombre os dias, mesmo que eu não apareça. Mas há por aí tantos e tantos que passariam a semana sem falar com ninguém se não fosse o voluntário da Associação...

 

* Não me passava pela cabeça que a nossa mãe, que foi uma criança muito doente, fosse levada ao Dr. Cardoso, a S. Cosme, a pé, num cesto carregado à cabeça pela caseira dos nossos avós. Caraças, a vida era mesmo difícil.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



calendário

Outubro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031


Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Pesquisa

Pesquisar no Blog  

Who's among us?




Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D