Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Férias de verão 2014 - best of #1

por titi, em 29.08.14

jardim das amoreiras - livro novo do robert wilson - casa da praia - comer alarvemente como não fazia há muito - dormir - museu gulbenkian - voltar à cafetaria da gulbenkian - meus anos (1 mês antes das férias mas não faz mal) - piquenique no jamor - estar com a teresa

 

(continua)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eldorado

por titi, em 10.08.14

Esta foto foi captada por um helicóptero da marinha italiana. São africanos e sírios num pequeno barco a tentarem chegar à costa europeia. Em busca de um futuro melhor. E eles, para vergonha nossa, nem sequer sabem nem sonham que isso que procuram não mora aqui.

 

Aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

De outros #3 (para ouvir)

por titi, em 09.08.14

Uma escritora e uma pessoa extraordinária. Duas entrevistas, com 10 anos de intervalo.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quem tem primos, tem tudo

por titi, em 08.08.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

Injusto cumó raio

por titi, em 08.08.14
[Error: Irreparable invalid markup ('<porque [...] direcção>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<Porque é que o tempo é tão complacente com os homens e tão impiedoso com as mulheres? É que a quase todos os homens que conheço a idade deu mais pinta. Já as mulheres, a partir dos 35, é sempre a descer vertiginosamente em direcção à decrepitude.</p>

Autoria e outros dados (tags, etc)

Filosofia para começar o dia #8

por titi, em 07.08.14

Temo que este post vá sair de uma certo mau gosto porque faz piada à custa da tragédia de outros. Enfim, lá vai.

Na 2ª feira, a irmã de uma grande amiga, senhora de uns 50 anos, teve um AVC e está no hospital ainda em risco de vida. No domingo tinhamos passado a tarde com ela e parecia óptima. O António, claro, ficou muito impressionado, apanhou a expressão AVC e fez mil perguntas sobre o que isso é.

Hoje de manhã chegou ao pé de mim

Ele - Mãe, sinto-me mal, acho que tive um AVC.

Eu - A sério, o que é que aconteceu?

Ele - Dei um arroto e fiquei a sentir-me mal.

(...)

Ele - Porque é que estão a rir? Párem!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Do baú, com muito carinho

por titi, em 07.08.14

Reapareceram as cartas do António Alçada Baptista de que já devo ter falado aqui. Tão gentis e amorosas como me lembrava.

 

 

Era giro porque a cada escritor ou músico da minha preferência de que lhe falava, ele concordava e acrescentava "é muito meu amigo", como neste excerto. O livro de que ele fala no cartão, mandei-lho logo a seguir, lembro-me bem, era do Otto Lara Resende, grande amigo dele. Adoro, com todas as minhas forças, a literatura que vem do Brasil e foi o livro "A Pesca à Linha" que me abriu a porta desse maná. E, para ser justa, os programas de televisão do Francisco José Viegas. Cumcaneco, tanta coisa nova para ler e vou ter de ir buscar, pela centésima vez, o Pesca à Linha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Do baú

por titi, em 07.08.14

Em arrumações na garagem dos meus pais, vou desenterrando preciosidades e dando grandes gargalhadas. Relatório da psicóloga que me fez ''testes vocacionais'' quando acabei o 9º ano:

 

 

 

Nem acredito que os meus pais foram enterrar dinheiro numa porcaria destas! Por acaso já na altura, acho que no fim do 9o ano, fiquei com a sensação de que a avaliação desta psicóloga não era avaliação nenhuma e que ela se limitava a perguntar-me do que eu gostava e ia redigindo o relatório no momento. Ler coisas como "o seu desenho revela criatividade" ou "tem altos interesses no campo da contabilidade e alguns burocráticos" é bom demais. Tão ao lado, a análise da senhora, tão ao lado...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Liso asiático? Pois sim...

por titi, em 06.08.14

Quando vi isto à venda no Jumbo pensei que os meus dias de cabelo eriçado pela electricidade estática estavam acabados. Comprei a gama toda e experimentei-a hoje de manhã. Liso asiático?! Bah, eriçado como sempre mas mais gosmento do que antes.
E agora tenho de acabar as embalagens, irra!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Compaixão

por titi, em 06.08.14

Não suporto médicos que fazem conversa de chacha enquanto nos atendem. Quando tenho de ir a uma consulta, espero ser atendida com cortesia, atenção e rigor, em circunstância alguma que o médico que me atende se ponha a contar a vida dele. Se for um médico a quem vou recorrentemente, aprecio que se estabeleça uma espécie de ... relação, vá, de consideração e apreço mútuos.

As mazelas da meia idade obrigam-me a recorrer mais ou menos duas vezes por ano a uma consulta de Medicina Interna. O médico foi-me recomendado por amigos do mesmo ramo numa altura em que eu estava muito aflita mas não queria ser seguida por nenhum deles (nem eles queriam acompanhar-me!). Cheguei à consulta curiosa porque me tinham dito que uma das razões para terem escolhido a especialidade tinha sido o facto de se terem cruzado com aquele professor que, entre outros atributos, era ''uma das mentes médicas mais brilhantes que já conheci''. Digo-vos, deve ser mesmo, uma mente médica brilhante mas não só intelectualmente. Impressionou-me muito disponibilidade para ouvir e outra sensação que não sei definir mas que é recorrente nas consultas. Impressionou-me o interesse em ouvir. Tenho a certeza de que, mesmo que não lho tenha dito, esse médico tem consciência do poder das palavras dele e usa-as em benefício do paciente. Sabe que é completamente diferente apresentar-me o mesmo diagnóstico de uma ou de outra maneira, que diante da mesma maleita, dependendo do modo como ele falar, eu saio de lá na merda ou cheia de confiança no futuro (saio sempre confiante). Diz sempre as coisas da maneira certa, sem rodeios e com uma linguagem tão precisa como um programador informático. Não sendo psicólogo nem psiquiatra, é muito mais psicólogo e psiquiatra do que alguns com que já me cruzei.

 

Ah, mas não era nada disto que queria dizer.

 

Um amigo contou-me da sua revolta por o médico que acompanha a avó na doença que a vai minando, depois dos últimos exames, lhe ter apresentado o prognóstico com uma secura chocante e completamente despojada de esperança. Uma besta, esse médico.

 

Há mais ou menos cinco anos, também nós desaguámos numa consulta de neuropediatria, com uma médica bem recomendada. Lá se fez o que havia a fazer e no fim saímos porta fora com a certeza absoluta de que naquele consutório nunca mais poríamos os pés.

 

Há menos tempo, numa consulta hospitalar com pessoas por quem até temos bastante apreço, enquanto esperávamos por um papel qualquer, à nossa frente a médica ria com as internas que lá tinha a acompanhar a consulta, a contar de uma mãe, cujo filho tinha nascido com um problema gravíssimo, que o tinha levado a França para ouvir uma segunda opinião e vinha horrorizada porque lá não sedam as crianças a quem fazem ressonâncias magnéticas, enfaixam-nas tipo múmia para as impedir de se mexerem. E riam, riam.

 

Há menos tempo ainda, vi um comportamento parecido no técnico e no anestesista que estavam de serviço no dia em que precisámos deles.

 

O que há de comum em todos estes episódios que me ficaram gravados? A falta de compaixão dos médicos e dos técnicos. Não precisam de ser os mais brilhantes, não precisam (nem podem!) derramar lágrimas com os pacientes, não têm de ser amigos, não precisam de se deixar envolver mas não serem compassivos com o sofrimento dos outros é uma coisa muito pouco natural e incompatível com a qualidade na profissão que escolheram.

 

« ... não sei o que nos espera mas sei o que me preocupa: é que a medicina, empolgada pela ciência, seduzida pela tecnologia e atordoada pela burocracia, apague a sua face humana e ignore a individualidade única de cada pessoa que sofre. Não se descobriu ainda a forma de aliviar o sofrimento sem empatia ou compaixão.»

 

A Nova Medicina de João Lobo Antunes
Fundação Francisco Manuel dos Santos

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2



calendário

Agosto 2014

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31


Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Pesquisa

Pesquisar no Blog  

Who's among us?




Arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D